domingo, 28 de novembro de 2010

ILUMINADOS


O poema se cala nos momentos onde
te recebo entre minhas entranhas
estendendo meu olhar definido rumo ao infinito
ligando a alma a nossos instantes
 entre laços e lágrimas de prazer
vivendo noites prometidas fazendo aflorar a glória
de um ardente espetáculo sem dar vazão a razão
interlúdio entre cenas ousadas que lambe tua pele em chamas
ouvindo as vozes do universo em orações
numa mensagem entre desígnios e sinfonias
versos que choram a felicidade de nossos corações

ILUMINADOS

El poema no dice nada en los momentos en los
que te recibo en mis entrañas
ampliando mi mirada hacia al infinito placer
donde une el alma en nuestros instantes
 entre lazos  de placer y lágrimas
Noches prometida a la vida haciendo tocar la gloria
en un espectáculo de fuego, sin dar rienda suelta a la razón
interludio entre escenas osadas que lamen el fuego en la piel
escuchando las voces del universo en las oraciones
de mensajes entre los designios y sinfonías
poemas que llorar la felicidad de nuestros corazones

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

MEU VENTRE


Sou uma mulher presa a doce brisa de viver
despertando a noite silenciosa
úmida e inquieta
bailando nos cenários dos astros e
escondendo a vida no seio das estrelas
Sou fera que abriga o vento
aroma da mais pura água
raiz de resina fresca
luz da campina matinal
Sou sol e sangue
amor e morte
poesia infinita que irradia
relíquia que aquece e respira
corpo selvagem da deusa natureza
luz e chama da terra
dentro e fora de um deserto
Sou a paixão sou música
vestido vermelho de renda
dançando um tango
minha real sensualidade
insolente e sedutora
Sou oceano que cheira a flor de laranjeira
ventre quente de um vulcão
construindo monumentos
de um reino sereno
lançando encantamentos




MI VIENTRE
Soy una mujer presa de la dulce brisa de vivir
despertando a la noche silenciosa
húmeda e inquieta
bailando en los escenarios de los astros
donde se esconde la vida entre las estrellas
Soy una fiera que abriga al viento
aroma de la más pura agua
raíz de resina fresca
luz de campiña matinal
soy sol y sangre
amor y muerte
poesía infinita que irradia
reliquias que calienta y respira
soy cuerpo salvaje de la diosa naturaleza
luz y llama de la tierra dentro y fuera de un desierto
Soy la pasión y la música
vestido rojo de encaje suave
danzando al son de un tango
con mi real sensualidad
insolente y seductora.
Soy océano que aspira el perfume de la flor de naranja
vientre caliente de un volcán
construyendo monumentos
de un reino sereno
lanzando encantamientos


Rachel Omena

Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013