sexta-feira, 2 de abril de 2010

LUA DE PRATA



Minha alma se funde a tua alma
 colunas que sustentam as formas que
se abrem  para receber 
o alimento quente e viçoso
como rio vivo mistura-se ao mar de nossos sabores 
Meu interior se contrai como lábios famintos
para cobiçar teus desejos que rasga o véu de meus labirintos
num gozo perfeito na imensidão de nossos desejos
 É  como um cenário de luzes de um farol que acendem e apagam
assim são nossos orgasmos pulsantes

Eu miro o mel de teu hálito quente e perfumado 
e sou uma lua de prata que canta louvores 
de suspiros nos sentimentos de amor
E em nossos lençóis  cavalgamos como cavalos- marinhos
 nos transformando em lamparinas que acendem mantos de orvalhos
E  dentro de nossos suspiros e gemidos 
 nossas mãos passeiam em busca de mais fogo
Vivemos a febre deste amor  e continuamos bebendo 
o néctar de nosso deleite


Rachel Omena




 LUNA DE PLATA

Mi alma se funde con tu alma
y las columnas que sostienen mis formas
si abren para recibir
el alimento caliente y exuberante
que como río vivo se mezcla en el mar de mis sabores.
Mi interior se contrae como labios hambrientos
para cobijar tus deseo que  rasgas el velo de mis laberintos
en un gozo perfecto en la inmensidad de nuestros deseos
es como un escenario de luces de un faro que encienden y apagan
así son nuestros orgasmos pulsantes.
Yo miro la miel de tu hálito caliente y perfumado
soy una luna de plata que canta alabanzas
de suspiros y sentimientos de amor.
Y en nuestras sábanas de lino cabalgamos como caballitos de mar
nos transformamos en lámparas que encienden mantos de rocío
dentro de nuestros suspiros y gemidos
donde nuestras manos pasean en busca de más fuego
y en la fiebre de este amor continuamos bebiendo
el néctar de nuestro deleite.


Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013