quinta-feira, 5 de maio de 2011

TARDES DE ABRIL


Meu amor
olha dentro de meus olhos
caminha dentro de meu coração
não fale nada porque falarei dentro deste silêncio
Já dei milhões de voltas dentro de meu destino
Já pisei na morte e em sua escuridão
Já rodei o universo com meu dedo indicador
 agora não quero mais andar sozinha

Minha vida
Vem ! toma o rumo do norte ou do sul
do leste ou do oeste
dos ventos ou dos mares
mas traz contigo meu sorriso de paz
e envenena meu sangue com teu amor

Minha brisa sedosa
teu canto é o meu dia
onde reaviva tua presença
rota a prosseguir
porque amar-te é minha rotina
e nas tardes de Abril
 você é pétala de minhas rosas multicores


TARDES DE ABRIL



Mi amor
mira dentro de mis ojos
camina dentro de mi corazón
no hables nada porque hablaré dentro de este silencio
Ya di millones de vueltas en mi destino
Ya caminé en la muerte y en su obscuridad
Ya recorrí el universo con mi dedo índice
ahora ya no quiero andar más sola


Mi vida
Ven! toma el norte o del sur
del leste o del oeste
de los vientos o de los mares
mas trae contigo mi sonrisa de paz
y envenena mi sangre con tu amor


Mi brisa suave
tu canto es mi día
donde reaviva tu presencia
ruta a seguir
porque amarte es mi rutina
y en las tardes de abril
tú eres los pétalos de mis rosas multicolores







Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013