sábado, 23 de julho de 2011

SEM MÁCULA



Como não ser tua 
quando as chamas deste amor
queima em nossos lençóis e
os sonhos voam nas asas do desejo
 Suor e saliva se inflamam
em mantos prateados de caricias
deixando-nos nus nesta brilhante cavalgada
onde faminta estou e
como pétala lasciva quero desfolhar-te
buscar-te e saciar-te
colher teu néctar 
para me cobrir do teu óleo santo e
te entregar meus lábios em flor
onde minha pele é chama que te chama
para seguir contigo cavalgando
na correnteza deste rio bravio e
na desesperada busca para chegar
à minha fonte entreaberta
para beber e matar nossa sede
entre gozo que se faz aroma dentro de nós
Consumado o amor 
é parto sem dor

SIN MÁCULA

Cómo no ser tuya
cuando las llamas de este amor
queman en nuestras sábanas y
los sueños vuelan en las alas del deseo
Sudor y saliva se incendian
en un manto plateado de caricias
dejándonos desnudos en esta brillante cabalgata
donde hambrienta estoy y
como pétalo lascivo quiero deshojarte
buscarte y saciarte
tomar de tu néctar
para cubrirme con tu óleo santo y
entregarte mi labios en flor
donde mi piel es fuego que te llama
para seguir contigo cabalgando
en la corriente de este río bravo y
en la desesperada búsqueda para llegar
a mi fuente entreabierta
para beber y matar nuestra sed
el disfrute de ese aroma está dentro de nosotros
amor consumado
es parto sin dolor



Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013