sexta-feira, 2 de julho de 2010

PARA SEMPRE





Almas convertidas em sol
numa alva concha dengosa
somos aroma de lua quente
entre os lábios de um mar sedento
que sacia a minha e a tua sede
acariciando nosso manto sereno de amor
Com tanto amor no céu de nossas bocas
abraçemos nossos destinos
oferecer ao infinito nossos instantes infinitos
e delirarmos nossos delírios em linhas retas de paixão

Caminhamos na palma das mãos do tempo
e dentro de nossos corpos molhados de amor
chegaremos a luz da paz que semeiam o solo da vida
e nos perderemos na castidade deste amor eterno
onde a claridade se abre entre minhas colunas
subindo entre rochas onde tu homem de meus sentidos
planta sementes dentro da flor

E sonhando tu te acolhes dentro de meu corpo
e me entrego como tua estrela dentro de nossas poesias
entre um fogo genital transformado em delícias
correndo pelos tênues caminhos do sangue
onde termina a colheta da terra


PARA SIEMPRE

Almas convertidas en sol
en una tímida concha alba
somos los aromas de luna caliente
entre los labios de un mar sediento
que sacía mi sed y la tuya
acariciando nuestro sereno manto de amor
Con tanto amor en el cielo de nuestros labios
abrazamos nuestros destinos y
ofrecer al infinito nuestros instantes eternos
y delirarmos nuestros delirios en líneas rectas de pasión

Caminamos en las palmas de las manos del tiempo
y dentro de nuestros cuerpos mojados de amor
llegamos la luz de la paz que siembran el suelo de la vida
y nos perderemos en la castidad de este amor eterno
donde la claridad se abre entre mis columnas
subiendo entre rocas donde tu hombre de mis sentidos
planta semillas dentro de la flor

Y soñando tú ti acoges dentro del mi cuerpo
y me entrego como tu estrella dentro de nuestras poesías
entre un fuego genital transformado en delícias
corriendo por los tenues caminos de sangre
donde termina cosecha de la tierra

Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013