quinta-feira, 20 de setembro de 2012

VELEIRO DE CRISTAL


Talvez nós dois
buscássemos flores para uma história de amor
mais este amor foi flecha
 e ficou nas fronteiras das recordações

Rompeu a música dos dias de felicidade
ficando vazio um grande universo de estrelas
e minha alma lamentou ao vento
   navegando dentro do veleiro 
desta história

Hoje eu reduzo a dor a cada amanhecer
e louvo a meus dias pelo prazer de dar a vida
a oportunidade de eu buscar um arco íres 
onde as cores combinam com a essência 
de minha alma viajante e apaixonada
p
e
l
a
vida


VELERO DE CRISTAL

Talves nosotros dos
buscamos flores para una historia de amor
pero este amor fue una flecha
y quedó en las fronteras de los recuerdos

Rompió la música de los días de felicidad
quedando vacío un gran universo de estrellas
y mi alma se lamentó en el viento
navegando en el velero
de esta historia

Hoy reduzco el dolor de cada amanecer
y alabo mis días por el placer de tener vida
la oportunidad de buscar un arco iris
donde los colores combinan con la esencia
de mi alma viajante y apasionada

p
o
r

l
a

vida



Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013