sexta-feira, 19 de abril de 2013

VIOLINOS AO VENTO



Irrigando as manhãs
prolongo os dias 
adentrando emoções e lucidez
Cantam os violinos tocando ao vento
- amor e barreiras  -
Barreiras são falta de primaveras
não matemos as primaveras dentro de nós
 - a vida sem amor -
são ocultas e sem verdades

Hoje posso falar dos invernos curtos
 e das primaveras longas

Assim os dias são felizes
- contradizendo -
Ainda que, desertas sejam as noites
com estrelas que dissolvem pingos de sereno 

Os
Violinos ao vento
movimentam os sons
abrindo pontes
 semeando caminhos de felicidade
rasgando pensamentos 
destruindo as barreiras


Regando las mañanas
prolongo los días
llenando de emociones y lucidez
Cantan los violines tocando al viento
- amor y barreras -
Barreras son falta de primaveras
no matemos las primaveras
- la vida sin amor -
son cortas y sin verdades

Hoy puedo hablar de inviernos cortos
y de primaveras largas

Así los días son felices

- contradiciendo -
Aunque, las noches sean desiertas
de estrellas que se disuelven
las gotas de rocío en los
mares de invierno

Los
Violines al viento
mueven los sonidos
- girasoles -
puentes abiertos
camino de regreso
- felicidad -
horizonte que apunta
rasga pensamientos
destruyendo las barreras

Reticências

Reticências

Cristal de uma mulher!!!

Alma de poeta
coração de mulher,
por isso mesmo
vive a poesia
em sua magia
mais pura.

Tens também
por serdes
mulher-poeta
a sensibilidade
de um lírio
na pureza de
sua castidade.

A música mora
em seu coração
de natureza afroditiana,
a poesia em sua
forma mais liquida
dança devaneios
românticos em
sua alma feita
das fibras febris
da paixão.

Erotismo em
forma de mulher,
trovadora do
deleite sensual,
entoas em seus
lábios curvilíneos
os versos das canções
que exaltam o prazer
orgástico na sua mais
doce essência.

Cristal de uma mulher
onde as luzes do
regozijo da fêmea
o atravessam para
iluminarem o mundo
dos homens que delas
carecem desesperadamente.

Cisne branco que nada
soberbamente sob o
lago cristalino da
anima humana, pássaro
frondoso com canto de
sereia que arde em seu
peito encantando-me,
enquanto o escuto
e navego na nau das minhas
visões dionisíacas.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.
sexta-feira, 7 de junho de 2013